Mogli – Entre Dois Mundos

A tecnologia se tornou natural no cinema nos últimos anos, mas seu uso pode ser tanto positivo quanto negativo. A carreira de Andy Serkis é um exemplo disso. No lado positivo, ele ganhou projeção com a captura de performance em O Senhor dos Anéis e Planeta dos Macacos. No lado negativo há Mogli: Entre Dois Mundos: os efeitos visuais, que seriam destaque no projeto de um ator/diretor que já trabalhou tanto com esse recurso, são o ponto baixo do filme produzido pela Warner Bros. e lançado recentemente na Netflix.

Não há novidades sobre a história aqui: Mogli é criado na floresta junto com os lobos, mas quando cresce percebe que o lugar não é mais seguro por causa do tigre Shere Khan, que quer matá-lo assim como fez com seus pais. Com vozes de atores famosos como Christian Bale, Cate Blanchett e Benedict Cumberbatch, os animais têm traços estranhos, principalmente quando movimentam o rosto para falar. A impressão é que colocaram expressões humanizadas nos bichos e o resultado é tão esquisito que fica impossível se relacionar ou criar empatia com eles. Ao invés de entrar de cabeça na história, o público é constantemente lembrado do uso negativo da tecnologia – não há imersão.

Claro que há uma óbvia comparação Mogli: O Menino Lobo, lançado em 2016 pela Disney, mas mesmo se esse filme não existisse, o Mogli de 2018 não teria tanto destaque nos cinemas. Isso acontece porque a tentativa de Serkis em fazer uma história mais “madura” de Mogli não funciona. Há sim momentos pesados na história, mas o próprio diretor anula seu argumento ao colocar personagens caricatos (como a hiena capanga de Shere Khan) e uma trilha sonora acelerada que destoa do desejado clima soturno. Essa mudança brusca de tom em certos momentos causa confusão, já que o público não sabe se deve rir ou sentir medo.

Mogli: Entre Dois Mundos tem ainda um problema de ritmo. O filme não é longo (1h44), mas passa a sensação de durar muito mais. Antes de realmente entender o porquê de Shere Khan ser um perigo para sua existência, Mogli tem várias idas e vindas na trama que nem impulsionam a história, nem mostram seu amadurecimento. Se a ideia era aumentar as cenas no início para enfatizar os efeitos visuais, o tiro saiu pela culatra pelos motivos já citados. A única parte realmente interessante é quando o personagem-título tem contato com outros humanos e é mostrado como a cultura é importante na formação de uma sociedade – conceito que chega atrasado e não resolve os problemas já citados.

Andy Serkis tem um lugar cativo no coração de todos os cinéfilos pela sua contribuição para a sétima arte. Porém, antes de embarcar em um projeto tão ambicioso, ele poderia ter amadurecido suas habilidades como diretor, testadas apenas na segunda unidade da trilogia O Hobbit e no comando do drama Uma Razão Para Viver (2017). Mogli: Entre Dois Mundos não ficará muito tempo na memória dos fãs, mas com sorte servirá como aprendizado para um artista que certamente ainda tem muito a fazer no cinema, mas errou a mão dessa vez.

Originally posted 2018-12-15 21:26:31. Republished by Blog Post Promoter

Written by: Xina

No comments yet.

Leave Your Reply

Solve : *
11 − 2 =


GAMESZone

Aenean sodales eros ac scelerisque sagittis. Aliquam porta consectetur blandit. Nulla sed augue nisl. Vivamus pulvinar ullamc orper malesuada.

Suspendisse ornare velit eget dolor fringilla, et imperdiet ipsum convallis. Integer faucibus, felis nec lobortis hendrerit, augue mi mattis massa, vitae lobortis neque nunc ut eros. Donec massa lectus

Tweets

Learn how you can sync your project in real time from #Brizy Cloud to your server. You will not find a feature like… https://t.co/VpifkAxq94
Not sure what happened there, it is hard to troubleshoot this from a screen on twitter. We'll have to look into it.… https://t.co/3HXMWYBiKA
We’ve launched Brizy Cloud on @ProductHunt! Now LIVE :point_right:https://t.co/7Tai7UCEoM Create highly convertin… https://t.co/DYfLnA6Ml1

Flickr Widget